Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Kim Carstensen - "Temos muito a ganhar se contarmos as histórias da cortiça"

Portugal 23/3/2020

À frente do Forest Stewardship Council desde 2012, o dinamarquês Kim Carstensen tem uma longa trajetória na área da sustentabilidade e do desenvolvimento. Numa entrevista exclusiva, o sociólogo destaca o papel crucial do Montado e da cortiça na proteção da biodiversidade e no combate às alterações climáticas.

Há 150 anos, a sustentabilidade não era sequer uma questão. Mas muito tem acontecido desde então, e agora assistimos ao crescimento de uma consciência ambiental. O que acha que o FSC pode fazer para contribuir para essa consciência ambiental?

Bem, eu creio que o FSC se tem afirmado como parte desta crescente tomada de consciência ambiental no mundo nos últimos 40 ou 50 anos. Quando o FSC foi criado, existia uma preocupação global com as florestas tropicais, com a desflorestação, com a perda de diversidade biológica a nível mundial. E creio que naquela época também ficou claro que o meio ambiente não era apenas uma questão política, mas também algo relacionado com o consumo e a maneira como conduzimos a nossa vida quotidiana. O FSC surgiu como uma solução possível para todas as pessoas no mundo que compravam produtos com origem na floresta. Isso foi muito importante porque criou uma solução num contexto em que as pessoas tinham que escolher entre não comprar o produto e, portanto, proteger a floresta ou comprar o produto e fazer parte da destruição. O FSC criou uma solução intermédia, pela qual as pessoas passaram realmente a fazer parte da solução, e passaram a ajudar a floresta usando produtos florestais produzidos com responsabilidade. 

Penso que no mundo atual o FSC continuará a desempenhar esse papel e uma das coisas que queremos fazer - e acho que Amorim é um exemplo muito bom disso - é poder contar estas histórias de forma ainda mais clara: às empresas, mas também aos consumidores. Falar da forma como estes produtos contribuem para a biodiversidade e para a vida floresta. Penso que a cortiça é um excelente exemplo disso.

 

Quando recebemos a classificação FSC para as nossas rolhas de cortiça, aqui na Corticeira Amorim, sentimos que houve um aumento de procura. Neste sentido, qual deveria ser a abordagem do FSC para esses grandes retalhistas no futuro, para que sigam as regras do FSC?

Desde 2018, no FSC International, a cortiça é um dos quatro produtos florestais não-madeireiros, como lhes chamamos - distintos da madeira em si – que apoiamos e promovemos globalmente, em conjunto com a nossa rede de parceiros nacionais. Produtos como o bambu, a borracha natural, os frutos de casca dura e cortiça. Isto dá-nos um novo potencial, creio eu. Até 2018, era sobretudo o FSC Portugal e o FSC Espanha que estavam a trabalhar na questão da cortiça, porque a produção de cortiça está essencialmente nestes países. Mas desde 2018 estamos a desenvolver um programa em que queremos trabalhar em conjunto com o FSC Portugal e o FSC Espanha para promover o uso de cortiça também internacionalmente. Isso inclui, por exemplo, trabalhar com a nossa rede de parceiros. Pensamos também que temos muito a ganhar se contarmos as histórias da cortiça, mostrando as belas áreas de Montado de onde a cortiça é extraída. Acreditamos que temos muito a ganhar sensibilizando os retalhistas e outros importadores de rolhas de cortiça ou importadores de vinho.

 

Também é verdade que reciclagem, o aquecimento global e emissões de CO2 são algumas das palavras-chave que estão na mente de todos. Mas esse não é o caso da palavra “desflorestação”. Na sua opinião, porque é que o termo “desflorestação” não tem a mesma importância que esses outros termos. Porque é que a comunicação social não coloca a mesma ênfase neste grande problema que enfrentamos? Por exemplo, podemos pensar na situação na Amazónia. Porque é que isto acontece?

Bem, acho que a urgência da crise climática tem criado muita discussão à volta do que precisamos de fazer para melhorar a situação ambiental no mundo. E parece-me que a questão da poluição dos plásticos, que tem surgido com muita força nos últimos dois anos, também é central nesta discussão. Isso deve-se, em parte, ao facto destas questões estarem muito próximas nós. As alterações climáticas são algo que sentimos diariamente. Este inverno nem sequer é inverno, pelo menos na Europa. Temos tido ondas de calor na Alemanha que estão muito além do que seria desejável. Portanto, estas questões estão bem próximas de nós, enquanto a desflorestação é algo que acontece bem longe. No entanto, acho que a discussão está a mudar. Considero que realmente as pessoas estão conscientes que as florestas fazem parte da solução da crise climática. E creio que há um reconhecimento crescente de que outras grandes crises, como a diversidade biológica do mundo, são tão importantes e tão urgentes quanto a crise climática.

 

O que é que o FSC e os seus parceiros certificados, como a Corticeira Amorim, podem fazer para trazer esse tema à agenda?

Creio que podemos contar a nossa história e que podemos fazê-lo mais do que fizemos até agora. Há histórias fantásticas para contar sobre a cortiça. Tanto sobre as propriedades da cortiça, como sobre a sua qualidade e o seu local de origem – o Montado. As imagens do Montado são muito bonitas. É um ambiente espetacular. E desempenha um papel muito importante em termos de biodiversidade. Creio que há algumas histórias muito importantes para contar, histórias que não seria possível contar a respeito de uma rosca de alumínio ou de um vedante de plástico. É preciso desenvolver e divulgar essas histórias e ficaríamos muito felizes por fazê-lo em conjunto com Amorim e com outros agentes do setor.

 

Considera que existe mais consciência agora apenas entre cidadãos e consumidores, ou também na indústria florestal? Podemos ousar dizer que daqui a 150 anos todas as empresas do setor florestal terão este certificado? Podemos dizer que isso vai acontecer, vendo a evolução ao longo do tempo?

Acho que podemos dizer que em 150 anos teremos uma situação em que as florestas serão geridas de uma maneira sustentável em todo o mundo. Se todas as florestas forem geridas de maneira sustentável, não sei se ainda precisaremos do FSC. O meu critério de sucesso seria realmente que o FSC se tornasse redundante; que todas as florestas fossem tão bem geridas que não precisássemos de um esquema específico de certificação de gestão florestal para o verificar. Teríamos de ver esta questão. Mas o nosso objetivo é fazer parte de um movimento, ao lado das nossas entidades certificadas, juntamente com os nossos membros, que garanta que o valor das florestas do mundo, o seu valor em termos de biodiversidade, o seu valor para as pessoas que as habitam, e o seu valor para o mundo em termos de clima é reconhecido pela sociedade, e a sociedade, portanto, tenta, por meio da legislação, por meio da pressão sobre as empresas, assegurar que as florestas são bem geridas.

 

Falando agora sobre a Corticeira Amorim. A Amorim Cork Composites foi a primeira empresa do grupo a obter um certificado FSC. Atualmente, todas as nossas empresas possuem certificação FSC. Pode dizer-nos algo sobre a contribuição do setor, e de um grupo com o nosso tamanho e importância, para alcançar esse cenário ideal? O que destacaria do nosso exemplo?

Estou muito impressionado com o que o grupo Amorim fez nos últimos anos. Creio que o grupo é um bom exemplo para outras pessoas seguirem. Fico muito feliz que a Amorim possa celebrar os seus 150 anos como uma empresa certificada pelo FSC. Há algumas histórias muito boas e relevantes para contar. Ficaríamos muito felizes por trabalhar com a Amorim nos próximos 150 anos, para garantir que as histórias sobre a qualidade da floresta, a qualidade da cortiça e a qualidade da empresa, sejam conhecidas por um público mais vasto, porque acho que é merecido.

 


Kim Carstensen
Diretor-Geral, Forest Stewardship Council

Kim Carstensen é Diretor-Geral do Forest Stewardship Council (FSC) desde Outubro de 2012. A sua longa trajetória de liderança global nas áreas da sustentabilidade e do desenvolvimento- mais recentemente enquanto líder da Global Climate Initiative do WWF International, e como CEO do WWF Denmark – coloca-o na posição ideal para consolidar a posição do FSC enquanto líder global na certificação florestal responsável.