Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Produtos da Amorim Cork Composites com Balanço de Carbono negativo

2/11/2020

A Amorim Cork Composites encomendou à EY três estudos de Pegada de Carbono e Avaliação do Ciclo de Vida que concluíram sem qualquer exceção que o balanço de carbono de todos os produtos analisados é negativo quando considerado o sequestro da floresta do montado. Os estudos, que avaliaram, então, os impactos ambientais causados pela gestão florestal, transporte de matérias-primas e produção, concluíram que o Top Layer NRT® 94 permite um sequestro de carbono até -39kg de CO2/m2, o Underlay Fusion permite um sequestro até -14,2kg CO2/m2, e o Footcork® Evolution permite um sequestro até -8,2kg CO2/m2.

Considerada a empresa mais tecnológica da Corticeira Amorim, a Amorim Cork Composites, que desenvolve soluções inovadoras para indústrias exigentes como a aeroespacial, automóvel, construção, energia, mobiliário, calçado, desportiva e de bens consumo, considerou para esta análise de ciclo de vida alguns dos produtos mais representativos das suas atividades. O Top Layer NRT® 94 é um componente composto maioritariamente por cortiça de alta densidade destinado à industria de pavimentos, o Underlay Fusion, igualmente fadado para a área de pavimentos, é um produto aplicado entre a superfície de betão e o pavimento final com o objetivo de melhorar o conforto térmico e o isolamento acústico das habitações, por seu turno o Footcork® Evolution é um material destinado a aplicações da indústria do calçado. Tanto o Underlay Fusion como o Footcork® Evolution são materiais compostos por cortiça, mas integram na sua formulação subprodutos de outras indústrias que seriam habitualmente descartados e colocados em aterros.

Ao incorporar estes materiais de economia circular, a Amorim Cork Composites contribui para a diminuição do seu impacto ambiental, dando paralelamente uma segunda vida a produtos em fim de vida. Na verdade, sendo a cortiça um material que promove sinergias com outras matérias-primas e subprodutos, sempre que possível são utilizados como matéria-prima materiais reciclados de outras indústrias. De resto, máxima que presidiu à criação da própria empresa em 1963: valorizar os subprodutos da produção de rolhas de cortiça.

Os resultados fornecem informação relevante sobre a contribuição ambiental dos produtos de cortiça e colocam em evidência o enorme valor do montado em matéria de sustentabilidade.

De destacar que estes estudos fazem parte do esforço contínuo da Corticeira Amorim em aprofundar o enorme contributo do montado e de toda a fileira da cortiça através de mais investigação sobre a matéria, disponibilizando acesso aos mais de 27 000 clientes nacionais e internacionais informação quantificável sobre como reduzir a própria pegada de carbono dos seus produtos, ampliando os esforços conjuntos na resposta às alterações climáticas.

A avaliação de ciclo de vida, levada a cabo durante os anos de 2019 e 2020, baseou-se numa abordagem cradle-to-gate, comtemplando assim todos os impactos ambientais até à porta da fábrica. A avaliação incluiu ainda informações adicionais sobre o sequestro de carbono da floresta de sobreiro. A metodologia dos estudos da EY teve por base as normas ISO 14040/44 (ISO, 2006), complementadas com as diretrizes do Handbook - General Guide for Life Cycle Assessment - Detailed guidance (EC-JRC, 2010), e do International Reference Life Cycle Data System (ILCD). Os dados associados à produção foram fornecidos pela Amorim Cork Composites, ao passo que os processos gerais de produção associados à produção das matérias-primas, energia, transporte e gestão de resíduos foram obtidos na base de dados ecoinvent 3.5 (Werner, et al., 2016).